Arquivo da Categoria: via S2

Será que é amor?

Cruzaram-se as duas, balançando as cabeças em cumprimentos leves, sutis. Como se não fossem, há muito e faz pouco, parte importante da existência uma da outra. Amizades transcorrem em percursos feitos de tesourinhas.… Continuar lendo

Não dá para imaginar

Bruna contrai os lábios de leve um contra o outro, para certificar-se de que o batom vermelho-cereja não transborda nem meio milímetro o contorno da boca. Depois se vira de lado a fim… Continuar lendo

Caro Santo Antônio,

Antes de mais nada, quero deixar claro: não acredito em santos, nem em milagres, muito menos em religião. Se você quer mesmo saber, eu não acredito em Deus. Em amor, nem se fala.… Continuar lendo

A dez mil pés

Escutou, apertando bem forte as pálpebras para ver se não sentia nada, o som de mais uma aeronave. Ela veio suave e pousou com elegância as turbinas sob a terra vermelha do planalto… Continuar lendo

Batida de banana

Aumentou o volume do som e sentou-se de cócoras no chão frio. Apoiou um dos braços nas pernas, enquanto com o outro segurava o queixo. Era uma noite amena de quarta-feira. A fricção… Continuar lendo

Sugiro um café

No meio do caminho, Alfredo desacelera o ritmo para ouvir dois desconhecidos trocarem conselhos sobre desilusões sentimentais. A forma mais fácil de esquecer um amor é transformá-lo em literatura, garante um deles, o… Continuar lendo

Por entre trilhos

O carro pára na estreita via de carga e descarga de passageiros da rodoviária do Plano Piloto. Uma garota frágil e esguia salta do banco do carona e, com agilidade, aciona uma alavanca… Continuar lendo

Casa cheia

O ônibus ia sacolejando ruidosamente. L2 sul, L2 norte, W3 sul, W3 norte. O número, em letras grandes na parte superior do vidro dianteiro, era 114. Ou Grande Circular. Fazia o mesmo percurso… Continuar lendo

Brasília aquecida

Lucas manobrou suavemente, fazendo a curva para sair do parque da cidade e entrar no Eixo Monumental. Pensou em Gabriela. Pelo retrovisor, viu as luzes do Nicolândia¹ piscarem descompassadas. Achava curioso como, em Brasília,… Continuar lendo